segunda-feira, 12 de abril de 2021

Como tomar mais água durante o dia!


 


Como tomar mais água durante o dia!

A quantidade ideal de água para ingestão diária é individual. Confira algumas dicas de como tomar mais água ao longo do dia.


A quantidade ideal de água a ser ingerida diariamente depende de vários fatores como a idade e o peso da pessoa, a atividade física que realiza, até mesmo o clima e a temperatura do ambiente onde vive. Para alguns, a ingestão de dois litros de água por dia pode ser suficiente. Outros precisarão de três, quatro litros ou mais, como no caso dos esportistas.

“Crianças, gestantes, mães em amamentação e idosos são grupos com mais risco de desidratação. Portanto, devem estar mais atentos à necessidade de hidratação diária, que deve vir predominantemente do consumo de água pura mas também da água contida nos alimentos, chás e sucos naturais”, explica a nutricionista Laís Monteiro da Silva.  

O balanço diário de água é controlado por sofisticados sensores localizados no cérebro e em diferentes partes do corpo. Esses sensores provocam sede e nos impulsionam a consumir líquidos sempre que a ingestão de água não for suficiente para repor a água que utilizamos ou eliminamos.

Assim, conforme indica o Guia alimentar para a população brasileira, é fundamental atentar-se para os primeiros sinais de sede e satisfazer de pronto a necessidade de água que é sinalizada pelo organismo. E não é saudável substituir a água por alimentos ultraprocessados, como refrigerantes e bebidas açucaradas. Principalmente as crianças.

A água faz parte da categoria de alimentos in natura ou minimamente processados e é essencial para a manutenção da vida. Sem ela, não sobrevivemos mais do que poucos dias.


Crianças: para matar a sede, ofereça água

De acordo com o Guia alimentar para crianças menores de 2 anos, não é recomendável oferecer aos pequenos sucos naturais de fruta ou bebidas industrializadas, como refrescos, chás gelados ou refrigerantes, no lugar da água. Assim, esses alimentos não devem ser oferecidos às crianças para matar a sede, pois aumentam a chance delas apresentarem excesso de peso e cárie dentária.

A mãe do Ibrahim, de 4 anos, Ana Maria Siqueira (35) sempre tomou bastante água e acredita que o hábito acabou influenciando o filho. “Eu gosto muito de água. Quando eu estava grávida, me hidratava ainda mais, e era a água gelada que me tirava o enjoo. Já quando eu estava amamentando, lembro que chegava a tomar uma garrafa inteira de uma vez. Não sei se por me acompanhar sempre tomando água, meu filho também gosta muito. Ele não toma refrigerante, nem gosta muito de suco, então é até engraçado, porque quando a gente vai em festa, ele pede água. A noite ele também sempre pede, às vezes até acorda pra tomar água”, conta Ana Maria.

Como tomar mais água?

Com a ajuda da nutricionista Laís Monteiro, o Saúde Brasil reuniu algumas dicas para ajudar quem não gosta ou tem dificuldade de beber água, confira:

Beba água temperada

Para quem não é muito fã do gosto da água, a água “temperada” ou aromatizada com rodelas de limão ou folhas de hortelã é a melhor opção. Para dar sabor, pode-se usar também abacaxi, canela em pau, gengibre, conforme a preferência pelo gosto.

Ande com uma garrafinha

Ter à mão cantis ou pequenas garrafas com água fresca é boa providência quando se está fora de casa. Com a preocupação com a sustentabilidade, hoje em muitos lugares não são oferecidos mais copos de plásticos. Além de ajudar a lembrar que é preciso tomar água, andar com uma garrafinha garante o abastecimento em filtros e bebedouros. 

Tome mais chá e café

Faz parte da cultura alimentar do brasileiro o consumo na forma de bebidas como café e chá, que são boas fontes de líquido. Entretanto, neste caso, convém não adicionar açúcar ou, pelo menos, reduzir a quantidade ao mínimo.

Coma mais frutas e verduras

A maioria dos alimentos in natura ou minimamente processados e as preparações com esses alimentos têm alto conteúdo de água. O leite e a maior parte das frutas contêm entre 80% e 90% de água. Verduras e legumes cozidos ou na forma de saladas costumam ter mais do que 90% do seu peso em água. Após o cozimento, macarrão, batata ou mandioca têm cerca de 70% de água. Um prato de feijão com arroz é constituído de dois terços de água. Quando a alimentação é baseada nesses alimentos e preparações, é usual que forneçam cerca de metade da água que precisamos ingerir.

Tome um copo antes das refeições

Antes do café da manhã, dos lanches, do almoço e do jantar, tome um copo de água. Essa é uma estratégia indicada para os esquecidos, que assim podem garantir a ingestão de pelo menos cinco copos de água por dia. 

Beba água com gás e limão

Essa é uma dica especial para quem gosta de refrigerante: trocar pela água com gás e limão. Refrigerantes e vários tipos de bebidas adoçadas possuem alta proporção de água, mas contêm açúcar ou adoçantes artificiais e vários aditivos, razão pela qual não podem ser considerados fontes adequadas para hidratação.

Conte com a ajuda dos aplicativos

Para facilitar a vida de quem esquece de beber água ao longo do dia, uma outra opção é baixar aplicativos de celular que enviam avisos sonoros ou lembretes, e também ajudam a controlar a quantidade de água ingerida diariamente.


Saiba Mais


quinta-feira, 25 de março de 2021

Por que devemos beber cerca de dois litros de água todos os dias


De acordo com o CPTEC-Inpe (Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) o verão no país está sendo mais quente que o normal, com média de temperatura na marca dos 31,5ºC entre 21 de dezembro e 20 de março, último dia da estação. Neste período, a regra de consumir — ao menos — dois litros de água por dia deve ser seguida à risca para evitar a desidratação e a consequente dificuldade do organismo realizar funções vitais que vão da boa digestão dos alimentos e o transporte de nutrientes até funcionamento dos rins. Isso porque no verão as pessoas transpiram mais e estão mais tempo sob o sol.

E a explicação para a boa hidratação é fisiológica. De acordo Andrea Pereira, nutrólogia do Hospital Israelita Albert Einstein, cerca de 60% do corpo humano é formado por água. O organismo produz, em média, sete litros de líquido por dia — entre saliva, suco gástrico e bile — e o intestino absorve nove litros. "Então, a conta não fecha. Por isso é preciso a ingestão de água", explica a médica. 

Caracterizada pela baixa concentração de água, sais minerais e líquidos orgânicos no corpo, a desidratação, de acordo com seu grau, pode matar. Por isso o corpo dá sinais que está precisando de água. O primeiro deles é a sede. "Sentir sede já significa que o organismo está com um grau leve, de 2% a 3% de desidratação", explica a médica do Einstein. 

Nas fases leve e moderada, os sinais de desidratação são sede, boca e pele secas, diminuição da sudorese, câimbras. Já na fase grave, os sintomas são dor de cabeça, tontura, confusão mental, fraqueza, cansaço e aumento da frequência cardíaca são alguns sintomas da desidratação grave.



Como o corpo também perde água: 

➡ Suor - 23% 

 Urina - 58%

 Fezes - 4%

 Respiração - 15% 

Sinais que seu corpo pede água:

 Sensação de fadiga, confusão mental e câimbras

 Prisão de ventre

 Pele e cabelo sem elasticidade

 Falhas cognitivas, como perda de memória

 Urina escura e infecção urinária (eliminamos, pela urina, as bactérias do trato urinário)

 Doenças respiratórias (a água umidifica o sistema bronco-pulmonar e facilita o transporte de oxigênio).

quarta-feira, 10 de março de 2021

5 dicas para sua garrafa d’água não ficar cheia de bactérias


O alerta soou com uma investigação do instituto americano Treadmillreviews.net, especializado em dados sobre esteiras ergométricas, que analisou a presença de bactérias em garrafas usadas por 12 praticantes de atividade física durante uma semana sem passar por lavagem.


O resultado foi assustador: em alguns casos foram encontrados mais germes do que em vasilhas para alimentar cachorros! A primeira colocada no ranking da contaminação foi a garrafinha conhecida como slide top, aquela em que a tampa precisa ser deslizada para que o usuário tenha acesso ao líquido. Logo depois ficaram as do tipo squeeze (que esguicham a água direto na boca), seguidas pelos modelos com tampa de atarraxar. 

Na avaliação, os recipientes que têm um canudo embutido interno foram os que apresentaram o menor número de bactérias. Segundo os autores do inquérito, isso acontece porque as gotas ficam acumuladas na base do canudo, em vez de se concentrarem na superfície exposta, local mais atraente para os micróbios se instalarem. 

As constatações do pequeno experimento não são motivo para jogar o recipiente no lixo. “A maior parte desses micro-organismos vem da nossa boca e normalmente não provoca doenças”, esclarece o clínico e infectologista Paulo Olzon, da Universidade Federal de São Paulo. Os achados reforçam, porém, a importância de higienizar (ou trocar) o acessório pensando em alguns contextos. 

“Embora a presença desses agentes não ofereça riscos por si só, fatores como feridas na boca ou imunidade debilitada facilitam sua chegada à corrente sanguínea, o que pode desencadear mal-estar, diarreia…”, observa a infectologista Raquel Muarrek, do Hospital São Luiz Morumbi, na capital paulista. 

Lavar o acessório com água e detergente com regularidade é suficiente para barrar ameaças do tipo. “Muita gente negligencia esse hábito pelo fato de a garrafa ser de uso particular”, conta o biomédico Roberto Figueiredo, conhecido como Dr. Bactéria. Não caia nessa e respeite alguns cuidados (veja os conselhos logo abaixo). Assim sua garrafinha não há de virar um ninho de germes. 




Um miniguia para comprar e conservar a garrafinha


1. Melhor escolha


Prefira as que têm canudo interno e formato mais fácil de ser higienizado. Optar pelo inox é uma boa, pois ele dificulta a instalação das bactérias. 

2. Se for de plástico


Fuja de embalagens com símbolo de reciclagem com números 3 ou 7. Eles indicam presença de bisfenol A. Evite usar a mesma garrafa de água mineral todo dia.


3. Quando trocar


Apesar de não haver prazo certo para isso, é prudente substituir a garrafa se houver ranhuras e desbotamento da cor, sinais de que já está velha demais.


4. Higienização


Lave toda vez que ela for usada, dando atenção aos locais de difícil acesso, como a rosca da tampa e as bordas do canudo. Uma escova de mamadeira ajuda.


5. Transporte


Proteja o biquinho, evite quedas ou batidas e não deixe a garrafa por muito tempo em locais abafados, como o carro, algo que favorece os micróbios. 




sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

Como saber se a água é limpa e própria para consumo?


Existem diferentes formas de como saber se a água é limpa e própria para o consumo humano. E este ponto é muito importante, pois o consumo regular de água potável é fundamental para o funcionamento do organismo. A água controla a temperatura do corpo e auxilia no correto funcionamento do sistema circulatório.

Contudo, não ter como saber se a água é consumível pode representar um perigo para a saúde de quem a ingere. O risco de contaminação por micro-organismos eleva-se consideravelmente, ao invés de promover o fortalecimento do sistema imunológico.

Dicas de como saber se a água é limpa

Uma das principais formas de como saber se a água é limpa é identificando se ela se encontra incolor, insípida (sem sabor) e inodora (sem cheiro). A água, também, deve estar livre de materiais tóxicos e microorganismos, como bactérias, protozoários etc.. Estes componentes são prejudiciais à saúde, ao contrário dos sais minerais, que devem estar presentes na água em quantidade necessária para o organismo.

Para saber se a água é limpa e própria para consumo, siga algumas dicas:

Analise a cor da água

Posicione o copo com água contra a luz e veja se há a presença de algum corpo estranho, ou mesmo se você consegue enxergar por entre o copo. Caso ela esteja embaçada, dificultando a visibilidade, pode ser que haja poluição e ferrugem nos dutos ou encanamentos fluviais. O mais correto é não ingerir qualquer água que apresenta uma condição diferente da sua transparência normal.

Observe se há cheiro na água

Isso mesmo. cheire a água e observe se há a presença de odor. A água potável e limpa não apresenta cheiro algum. Já a água que não está própria para consumo pode ter os seguintes odores:

  • alvejante: apesar de este odor não representar perigo, ele significa que a companhia de saneamento trata a água e a mantém limpa com cloro. O cheiro de alvejante, normalmente, desaparece após poucos segundos em contato com o ar e, para se livrar dele, um filtro caseiro é bastante eficiente.
  • Mofo: este cheiro também não representa grande perigo à saúde. O odor pode ser resultado da decomposição de matéria orgânico que pode estar presente no encanamento ou na própria água.
  • Enxofre: o odor deste componente químico é caracterizado por ser muito forte e ruim, e pode significar que há bactérias na água. Neste caso, é preciso recolher um copo do líquido e levá-lo para outro cômodo da casa. Após alguns minutos, caso o cheiro desapareça, quer dizer que há presença de bactérias no encanamento e estas devem ser eliminadas.

Caso o cheiro persista, não deve ser ingerida e a companhia de saneamento deve ser comunicada imediatamente.

Solicite a um laboratório a análise da água

É possível enviar para a análise de um laboratório especializado uma certa quantidade da água que chega até as residências, seja ela originária do abastecimento público, poço artesiano, mina ou nascente. O laboratório irá realizar testes de potabilidade da água, que pode, ou não, ter padrões saudáveis para o consumo humano.

Quem define esses padrões de potabilidade no Brasil é a Portaria 2914 /2011 da ANVISA. Para as residências, recomenda-se fortemente essa análise. Ela verifica se os seus parâmetros estão corretos e possibilita conhecer se a água é potável ou não e se oferece algum risco à saúde.

Quais os malefícios de beber água imprópria?

Não ter como saber se a água é limpa e, mesmo assim, ingeri-la, pode causar doenças como:

  • diarreia;
  • febre tifoide;
  • hepatite A;
  • infecção intestinal causada por bactérias;
  • leptospirose;
  • salmonela;
  • cólera;
  • rotavírus ou noravírus.

Estas doenças podem apresentar diferentes sintomas. Mas, ao se observar sinais como febre, dor abdominal, perda do apetite, dor de barriga, vômito ou calafrios, deve-se ir imediatamente a um estabelecimento de saúde. Lá, será possível identificar o que está acontecendo e iniciar o tratamento adequado. Além disso deve-se evitar a automedicação e ingerir somente água comprovadamente limpa e consumível.

Como tornar a água potável

Para tornar determinada quantidade de água própria para o consumo, deve-se utilizar uma solução chamada hipoclorito de sódio. Este componente pode ser encontrado em farmácias e supermercados. Pingue de duas a quatro gotas de hipoclorito de sódio para cada litro de água e espere, no mínimo, 30 minutos para consumi-la.

O hipoclorito de sódio serve, especialmente, para purificar a água que apresenta contaminação por vírus, bactérias e protozoários. Isso pode acontecer em águas de cisternas, poços artesianos, pequenos poços e com a água da chuva.

Importante! A água da chuva não é consumível. No meio do caminho entre a formação das gotículas nas nuvens e o chão, há diversas substâncias captadas por ela na atmosfera. E a água da chuva, na maioria das vezes, é tóxica, especialmente nas grandes cidades ou em municípios que ficam ao redor de indústrias.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

Água guardada por muito tempo pode ser consumida?


Água guardada em recipiente por muito tempo pode ser consumida sem problema?

Pergunta: Desde o 11 de setembro venho guardando galões de água em recipientes de plástico que nunca foram abertos. A água pode ter ficado inadequada para beber ou cozinhar?
Resposta: Se a água estava limpa quando entrou nos recipientes, se os recipientes estavam perfeitamente limpos e esterilizados, e se você tiver certeza de que eles nunca foram abertos, a água não fica imprópria para consumo.
Se você tiver dúvidas sobre qualquer um desses fatores, a água ainda pode ser usada se for purificada. Os métodos de purificação geralmente sugeridos são filtragem seguida de fervura e adicionar algumas gotas (cerca de oito gotas para cada garrafa de 2 litros) de água sanitária de uso doméstico sem perfume.
Autoridades como a Cruz Vermelha e a Agência Federal de Gerenciamento de Emergência dos EUA recomendam manter estoques emergenciais de água à mão em caso de desastre: um galão por dia, por membro da família, é suficiente para pelo menos três dias. Deve ser água em garrafa vendida no supermercado ou água de torneira clorada colocada em recipientes de plástico limpos, do tipo garrafa PET, jamais embalagens de papelão tipo leite ou suco.
Autoridades também recomendam renovar esse estoque a cada seis meses e mantê-lo longe do calor e da luz solar, o que incentiva o crescimento de qualquer micróbio que possa estar presente. A água fervida pode ser aerada para torná-la mais agradável passando a água de um recipiente limpo para outro, e vice-versa.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2021

Confira a importância de cuidar da hidratação nos dias mais quentes


Cuidar da saúde no verão envolve, principalmente, cuidar da hidratação. As altas temperaturas e o maior tempo de exposição ao sol contribuem para que o organismo perca ainda mais água ao tentar controlar a temperatura do corpo. Por isso, o consumo adequado de líquidos é fundamental para manter a saúde e o bem-estar.


Em geral, deve-se consumir cerca de 2 litros de água diariamente. Essa recomendação da Sociedade Brasileira de Dermatologia previne problemas como a desidratação. Além disso, a ingestão adequada de água melhora a circulação sanguínea, o funcionamento do intestino e evita problemas nos rins.

Água de coco, sucos naturais e chás gelados são opções saudáveis, que podem ser consumidas diariamente, além da água. Já as bebidas açucaradas e industrializadas, como refrigerante e suco artificial, devem ser evitadas, pois a quantidade de açúcar presente nestes produtos faz com que o organismo perca ainda mais líquido.

Dicas para manter a hidratação em dia

- Não espere sentir sede para tomar água, pois a sede já é o primeiro sinal de desidratação.

- O ideal é manter uma garrafinha d’água sempre por perto, na bolsa ou na mesa de trabalho, para consumir com frequência.

- Existem ainda alguns aplicativos para smartphone que funcionam como lembretes e podem ser configurados de acordo com os horários de cada um.

- Também vale programar o despertador do celular para lembrar-se de tomar água ao longo do dia.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2021

Selo Fiscal para água mineral será obrigatório em São Paulo em 2021


A partir de 1º de janeiro de 2021 será obrigatório o uso de Selo Fiscal de Controle e Procedência para toda embalagem de água mineral, natural ou potável de mesa, e adicionada de sais, com volume superior a 4 litros destinado à comercialização em território paulista, mesmo que proveniente de outro estado brasileiro, conforme a Lei número 16.912, de 28/12/2018, observado ainda a Portaria CAT 85/2020 do Portal da Secretaria da Fazenda do estado de São Paulo. As informações constam no Portal da Secretaria da Fazenda do estado de São Paulo, com status atualizado em 13 de novembro.

Importante informação para o planejamento e possíveis adequações das empresas de água mineral para cumprimento da Lei sem comprometer suas operações o fornecimento ao mercado.



Proxima → Página inicial